Educação

Aulas do 2º semestre na UFMA devem encerrar em abril de 2021, aponta reitor

Anúncios

A Universidade Federal do Maranhão (UFMA) decidiu que o semestre 2020.1 terá aulas de 14 de setembro a 19 de dezembro deste ano. Já o segundo semestre começa no dia 8 de fevereiro e vai até 30 de abril de 2021.

A informação foi confirmada ao G1 Maranhão pelo reitor da universidade, Natalino Salgado. Todas as aulas terão como base o ensino híbrido, ou seja, parte será à distância e parte será presencialmente. As aulas presenciais também não serão obrigatórias e serão de responsabilidade do departamento de cada curso.

A diminuição de oferta de disciplinas práticas no período 2020.1 foi vista pela UFMA como uma alternativa de flexibilização de ensino, diminuindo o fluxo na universidade, para assim reduzir a chance de disseminação do novo coronavírus.

Para o ensino híbrido, Natalino informou que a universidade realizou uma pesquisa em todo o Maranhão com os alunos. Foi constatado que cerca de 30% dos estudantes possuem algum tipo de exclusão digital. Baseado nisso, a UFMA pretende emprestar tablets ou financiar internet para quem precisar.

“Cerca de 3% dos alunos não possuem internet, nem aparelhos. Outros 22% alunos têm pouca internet, ou possuem equipamentos defasados para absorver os conteúdos com excelência. Com base no desvio padrão, colocamos, com folga, que seria em torno de 30% de alunos excluídos digitalmente”, disse o reitor.

Ainda segundo Natalino, os alunos terão que se comprometer a cuidar dos tablets. Se houver roubo, o aluno terá que fazer um Boletim de Ocorrência (B.O) para conseguir a retirada de um outro aparelho.

A internet deve ser financiada pela UFMA ou pela Rede Nacional de Pesquisa. A instituição dará uma cota de internet para os alunos, que devem usar os dados móveis para baixar os conteúdos de ensino via operadora de telefonia.

“A maior necessidade nem é o aparelho, mas a internet para os alunos. Se eles tiverem o chip, podem usar a internet onde estiverem. Quanto aos tablets, nós precisaríamos ofertar, no mínimo, de dois a três a mil. Inicialmente, já concluímos a licitação, estamos analisando a tecnologia do tablet, e devemos fechar contrato dentro de 10 dias. Serão mil tablets que iremos ofertar um mês antes das aulas, enquanto obtermos recursos para ofertar mais ainda”, afirmou Natalino.

Fonte: G1 MA

Categorias:Educação

Deixe uma resposta