Durante um protesto realizado na manhã deste domingo (12), índios guajajaras derrubaram uma torre de energia da Eletronorte, localizada na Aldeia Coquinho, uma das 20 aldeias da Reserva Canabrava no município de Jenipapo dos Vieiras. Outras duas torres foram danificadas.

Os indígenas pedem que a Eletronorte deixe de fazer a distribuição de cestas básicas e faça o repasse de dinheiro diretamente aos índios, que assim podem escolher onde comprar. Eles também exigem que a Fundação Nacional do Índio (Funai) transfira dois funcionários que trabalham na aldeia.

Em nota ao g1, a Eletronorte informou que a linha está desligada e que a Empresa já obteve autorização judicial para ingresso de técnicos da Eletronorte e policiais federais na Terra Indígena Guajajaras para inspeção e reparo nas torres de transmissão. As equipes aguardam a mobilização das forças policiais para dar início à recuperação. 

A Empresa disse, ainda, que as equipes atuaram junto ao Operador Nacional do Sistema para que o fornecimento de energia não fosse interrompido.  

Em relação à declaração sobre um convênio datado de 2014 mencionado pelos Guajajaras, a Eletronorte esclareceu que não existe um convênio pendente, e sim uma Ação Civil Pública em andamento no Ministério Público Federal, assim como na Justiça Federal, na qual o papel da Eletronorte seria desenvolver um estudo ambiental simplificado do componente indígena, o que já foi realizado pela Empresa e aprovado pela Funai.

No momento a Eletronorte aguardava a Funai concluir as oficinas para cumprir o seu papel dentro das ações antecipatórias, mas não houve consenso entre algumas lideranças indígenas e a Funai sobre as ações a serem realizadas.

Tão logo haja a decisão, a Eletronorte está pronta para finalizar o processo e realizar o aporte financeiro.

Informações: G1 Ma