A Câmara Municipal de São Luís deu uma dura resposta ao Executivo municipal e iniciou as atividades de 2022 com a ausência de mais da maioria dos parlamentares, e o próprio prefeito não participou do ato. Apenas 8 dos 31 vereadores marcaram presença. Silvana Noely chegou no fim da sessão.

Sessão sem quórum, e o prefeito foi representado pela vice-prefeita Esmênia Miranda. A Casa Legislativa evidencia uma crise interna e também com a prefeitura. Fica claro ainda que o diálogo precisa orquestrar essa relação para que ações em prol das pessoas sejam realizadas com mais efetividade.

Um precisa do outro. Vamos refletir: o prefeito precisa da Câmara para aprovar projetos de leis e demais iniciativas; e a Câmara, da prefeitura, para que as demandas das comunidades, que os vereadores recebem diariamente, sejam atendidas – já que são importantes interlocutores do povo com as autoridades e os serviços públicos.

Braide mostra pouco interesse com seus apoiadores e ignora a importância do parlamento, enquanto a Assembleia Legislativa retomou os trabalhos em sessão solene com a presença do governador Flávio Dino e do vice-governador Carlos Brandão. Gesto que demonstra como os poderes devem caminhar com harmonia e respeito. 

O prefeito ficará sem governabilidade se não mudar a postura, pois conta com um número baixíssimo de apoiadores na Casa, e estes também estão insatisfeitos.