O governo ucraniano afirmou, nesta sexta-feira (4), que forças russas assumiram o controle da usina nuclear de Zaporizhzhia, localizada em Energodar, no sudoeste do país, e considerada a maior do tipo na Europa.

Um incêndio atingiu o local após uma série de bombardeios russos, mas já foi controlado. Não há registro de vazamento de radiação no local. Três militares ucranianos morreram e outros dois ficaram feridos. Hoje, a invasão russa ao território ucraniano chega ao nono dia.

A Rússia, porém, responsabilizou a Ucrânia, dizendo que militares do país incendiaram um prédio da usina. Os russos alegam que controlam a central nuclear desde o final de fevereiro.

O presidente ucraniano, Volodimir Zelensky, declarou que Moscou apelou para “terrorismo nuclear” ao bombardear a usina e que os russos quererem “repetir” a tragédia nuclear de Chernobyl, ocorrida em 1986. A Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) criticou os russos pela ação contra a central nuclear.

Nesta sexta (4), há também relatos de destruição de equipamentos militares das forças russas por parte de ucranianos em algumas regiões do país.

Uma reunião do G7 —grupo que reúne Estados Unidos, Reino Unido, França, Itália, Canadá, Alemanha e Japão— está prevista para hoje para discutir a situação na Ucrânia.