A Polícia Federal cumpriu, nesta terça-feira, três mandados de busca e apreensão na cidade de Grajaú, localizada no Sul do Maranhão.

Os mandados foram cumpridos no âmbito da operação ‘Sem descanso’, que tem o objetivo de combater o crime de trabalho em condições análogas à escravidão em carvoarias do Maranhão.

Na ação, a polícia apreendeu computadores, mídias e outros materiais relacionados aos fatos em apuração.

O objetivo das buscas também é identificar outras vítimas, que tenham sido exploradas em carvoarias vinculadas aos investigados, além de identificar outros envolvidos no esquema criminoso e mensurar o valor ilicitamente recebido pelos investigados com a prática do delito.

Se condenados, os suspeitos poderão responder pelo crime de submeter trabalhadores à condição análoga à escravidão (art.149 do Código Penal). As penas podem chegar a 8 anos de reclusão.

Operação

De acordo com a Polícia Federal, as investigações tiveram início após 11 pessoas serem resgatadas, na cidade de Mirador, em julho de 2021, pela Superintendência Regional do Trabalho e Emprego no Maranhão.

A Polícia Federal apurou que as vítimas trabalhavam em uma das várias carvoarias dos investigados e eram submetidas à jornada de trabalho exaustiva, principalmente os que trabalhavam como carbonizadores e as cozinheiras.

As investigações apontam que os trabalhadores só tinham descanso do trabalho a cada 40 dias, quando receberiam o pagamento ‘mensal’, obtendo cinco dias de folga, incluído o dia de ida e volta para casa. Ou seja, durante 40 dias eles trabalhavam de domingo a domingo, sem o intervalo mínimo de interjornadas.